Revolta de Feijó em reunião da ANTT: “A ANTT não fiscalizou e a FCA foi criminosa com nossas ferrovias”

Participei, na tarde de hoje, da Reunião Participativa nº 038/2013 da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), na Universidade Cândido Mendes, quando foram abordados pleitos referentes à Resolução ANTT nº 4.131/2014, que visa a devolução dos trechos economicamente viáveis pela Ferrovia Centro Atlântica (FCA).

Manifestação do deputado sob o olhar atento dos representantes da ANTT (Fotos Michelle Mayrink)

Mais uma vez, fiz a defesa das nossas ferrovias, destacando que o Governo Federal cometeu um crime em acabar com as ferrovias. O governo arrendou trechos ferroviários para empresas, elas não honraram seus compromissos e ficou por isso mesmo. O governo não fiscalizou, a ANTT – a quem cabe fiscalizar essas concessões – ao longo de todos esses anos fingiu que não estava vendo nada, talvez por carecer de material humano para fazer a fiscalização, mas fato é que as empresas concessionárias se sentiram muito à vontade para fazer o que quisessem.

No caso da nossa região, a FCA (Ferrovia Centro Atlântica) é uma empresa criminosa, que acabou com a nossa ferrovia, que transportava todos os derivados de petróleo que abastece nossa região, além de cimento, açúcar, produtos siderúrgicos, enfim… Hoje, nós não temos ferrovias, temos uma BR-101 totalmente congestionada, matando pessoas todos os dias.

Passou o governo Fernando Henrique Cardoso, 8 anos do governo Lula, 2 anos do governo de Dilma e nada foi feito, e agora a gente ouve em PIL (Programa de Investimento e Logística), um projeto que vai ser colocado em prático em, no mínimo, de 6 a 10 anos. E aí perguntamos: e até lá, o que será feito? Temos que encarar a realidade, e por isso espero que este projeto dê certo, dentro do menor espaço de tempo possível. Enquanto isso não acontece, vamos trabalhar para diminuir este prejuízo, que é enorme.

Eu participei da reunião junto da equipe da prefeita Rosinha Garotinho, e manifestamos em público o interesse da prefeita em salvar, pelo menos dentro do município, alguma coisa que ainda resta da ferrovia. A prefeita tem interesse de operar o trem de passageiro ligando Campos ao bairro Novo Mundo, outro que vai até Ururaí e um trem de turismo entre Campos e São Fidélis, cuja ferrovia é margeada pelo rio Paraíba do Sul, com uma das mais belas vistas da região.

Para que isso aconteça, vamos precisar de muita boa vontade do governo, e já estamos trabalhando junto ao Ministro dos Transportes, César Borges, para que isso se materialize. E também da boa vontade da FCA, que acabou com a ferrovia, a via permanente, acabou com os vagões, sumiu com as locomotivas, e nós teremos que encontrar isso nem sei onde. Então, o que nós queremos registrar é que vamos priorizar agora este projeto dos trens de passageiros e trem de turismo em Campos para tentar reduzir, de alguma forma, todo o estrago feito às nossas ferrovias.


One comment

  1. Alex Medeiros disse:

    Prezado deputado, ouvimos seu discurso e concordamos com quase cem por cento. Precisamos agir em prol do modal ferroviário. Aqui em Macaé, tenho tentado. Dificuldades enormes. É um modal do qual as pessoas não possuem muito conhecimento. Há dificuldades culturais na “aceitação”. Sou contra a devolução do trecho. O contrato tem vigor até 2026. A FCA não teve interesse em implementar transportes de cargas na região. Também não fez a manutenções ao longo do trecho como deveria; há invasões na faixa de domínio, há furtos de trilhos, etc. O senhor disse bem sobre a futura nova ferrovia que faz parte do PIL. Além de demorar, e se ela, por intercorrências diversas, não sair do papel? Com devolução do trecho Visconde de Itaboraí-Campos dos Goytacazes, o trecho ficará abandonado, será invadido, vilipendiado e, daqui a alguns anos, por decisão de “governistas engabinetados”, será erradicado. O prazo para contribuições em relação à Tomada de Subsídios aberta pela ANNT em seu site, encerrar-se-ia em 31/01. O recurso é importantíssimo para que nos pronunciemos em relação à devolução do trecho, para que comentemos sobre potencialidades de transportes e para que Poderes Públicos (Estadual e Municipais) manifestem-se sobre interesses em utilizar a linha férrea. Questionando aquela Agência quanto às dificuldades que estávamos tendo para enviar o Formulário, fui informado pela Ouvidoria que o prazo foi prorrogado. Que bom! Por incrível que pareça, nem a prefeitura de Macaé enviou o Formulário, ainda. Justamente o Poder que, através do seu prefeito, tem falado em implantar trem de passageiros em Macaé. Através do Movimento Ferrovia Viva, hoje integrando a Associação dos Ferroviários, temos feito contatos com segmentos da sociedade civil de Macaé e de municípios vizinhos no sentido de também fazerem manifestações. Os poucos recursos e nossos afazeres diários, dificultam, mas continuaremos. Parabéns pelo lado que o senhor escolheu e defende”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *